Maucir Campanholi

Maucir Campanholi começou a atuar como ator em 1978 no Grupo da Escola Técnica Federal do Paraná em Curitiba, e estreou profissionalmente em 1980 no Grupo Permanente do Teatro Guaíra, sob direção de Antonio Carlos Kraide.

Paralelamente ao trabalho como ator, passou a dirigir e escrever textos, processo que levaria em 1981 a fundação do Grupo Zen Rumo, com o qual dirigiu e atuou em diversas peças até 1986.

Durante esse período ele só se afastou do grupo para estudar interpretação nos EUA em 1982 e, na sequência, em 1983 quando viajou ao Japão, onde pesquisou teatro Nô e Kabuki, conheceu Kazuo Ohno e o Butoh, e participou como ator do grupo Bunnyu Inryoku de Shuji Terayama. Em 1985 conheceu o diretor Ademar Guerra com quem atuaria em diversos processos tanto em Curitiba quanto em São Paulo, para onde se mudou em 1986.

Logo ao mudar-se começou o curso de Artes Cênicas da ECA-USP. No ano seguinte, participou da equipe que assessorou a primeira visita de Kazuo Ohno ao Brasil, e entrou para o CPT (Centro de Pesquisa Teatral) como assistente de direção de Antunes Filho, onde permaneceu até o início dos anos 90, dirigindo também seu próprio Núcleo. Em 1993 assumiu a direção da Indac, convidado por Antunes, posição em que permanece até hoje. De lá para cá também atuou no Indac como professor de Interpretação, Estética, Texto e dirigiu diversas peças, algumas delas também escritas por ele.

Paralelamente à sua atuação na escola entre outros trabalhos foi diretor de 1991 a 1994 de um dos Núcleos do Grupo Boi Voador. De 1998 a 2007 dirigiu, atuou e foi dramaturgista em peças do grupo Arnesto Nos Convidou. Na TV Cultura foi diretor de uma mini-série e de vários tele-teatros, alguns de sua autoria. Esses trabalhos tiveram a primeira exibição entre 2006 e 2011.

Nos últimos anos, além da direção do Indac, tem se dedicado a ensaios e pesquisas com um novo grupo que foca a linguagem pós-dramática e a interpretação do ator.