Inês Aranha

É atriz, preparadora de elenco e diretora. Estudou na Scuola D’Arte Drammatica do Piccolo Teatro de Milão, na Itália, uma das mais conceituadas da Europa. Ainda na Itália, acompanhou processos de montagem de três fundamentais diretores do teatro contemporâneo: Tadeuz Kantor, Heiner Muller e Giorgio Strehler, cumprindo entre estudos e atuação como atriz dez anos na Europa. De volta ao Brasil, atuou como atriz no CPT de Antunes Filho nas peças Nas Trilhas da Transilvânia e Nova Velha História, ambas sob a direção de Antunes; atuou também no Grupo Tapa em Ivanov, de Anton Tchekhov, direção de Eduardo Tolentino; e em diversas peças independentes como Salomé-Ensaio de Um Retrato, de Oscar Wilde, adaptação e direção de Christian Duurvoort; A Noite em que Blanche Dubois Chorou Sobre Minha Pobre Alma, direção de Renato Andrade; e outras. Na TV, atuou no episódio A Luz da Outra Casa, adaptação do conto de Luigi Pirandello, direção de Maucir Campanholi para o Projeto Direções, da TV Cultura. Dirigiu as montagens Oceano Mar, Minha Mãe, Desatino e O Anjo de Pedra. No Teatro do Bardo foi preparadora de atores em Judas em Sábado de Aleluia e Menino Lua.  Junto ao Teatro do Núcleo Experimental, atuou como atriz nos espetáculos As Troianas – Vozes da Guerra, Hotel Mariana e 1984; e como preparadora de atores em R&J, Mojo, Senhora dos Afogados, Urinal-O Musical, e outros sob direção de Zé Henrique de Paula. Em 1997, começa a ministrar aulas de Interpretação no Curso Profissionalizante do Indac, nesse período ininterrupto desde então, a sua metodologia de técnicas de interpretação se consolida.

 

Maristela Chelala

É atriz, formada pelo Indac Escola de Atores, autora e diretora teatral. Como atriz, integrou o elenco dos grupos Tapa e da Velha Companhia, onde atuou nos espetáculos Autor Bom é Autor Morto, Crepúsculo e Cais ou da Indiferença das Embarcações, dirigidos por Kiko Marques. Participou também dos espetáculos Diálogo das Sombras, de Samir Yasbek, direção de Maucir Campanholli; A Alma Boa de Setsuan e Galileu Galilei, ambos de Bertold Brecht, direção de Marco Antônio Braz e Cibele Forjaz, respectivamente, entre outros. Iniciou o estudo e pesquisa do clown em 2003, passando pelas mãos de Bete Dorgam, Cristiane Paoli Quito, La Mínima, Andreas Simmas e Ésio Magalhães. Em 2011, fez assistência de direção no espetáculo Sem Pensar, direção de Luiz Villaça e montou sua primeira produção de teatro de origem clownesca, o infantil O Mistério no Expresso Oriente. Assina a dramaturgia e direção do espetáculo Pontos de Vista de um Palhaço, monólogo indicado ao Prêmio Shell de melhor ator para Daniel Warren, e atualmente está em cartaz como atriz no espetáculo A Visita da Velha Senhora, de Friedrich Durrenmatt, direção de Luiz Villaça. Desde 2009, ministra aulas de Interpretação e Montagem nos Cursos Profissionalizante e Paralelos do Indac.

Renato Andrade

É roteirista, dramaturgo e diretor teatral, graduado em Comunicação Social pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) e formado pelo Indac Escola de Atores. Redator, concluiu o curso de Roteiro para Cinema da Faculdade Cásper Líbero e participou de oficinas de dramaturgia com profissionais como Flávio Porto, Aristides Vargas e Luís Alberto de Abreu. Em 2015, concluiu o curso de Roteiro para TV da Academia Internacional de Cinema (AIC). Desde 2005, já dirigiu 13 espetáculos teatrais, a maioria de sua autoria, onde se destacam E se não tivesse Amor no título?, Ocupação, e Retratos e Canções, dos quais assina a dramaturgia e direção; “Os Veranistas”, de Máximo Gorki; “A Noite em que Blanche Dubois Chorou sobre minha Pobre Alma”, de Jarbas Capusso Filho; e o recente “3 Formas de Amar”, livre adaptação homônima do filme de Andrew Fleming. Além disso, dedica-se também na direção de shows musicais, entre eles o show Trágico, do cantor Rodrigo Veloso. Há 10 anos, Renato faz parte do corpo docente do Indac Escola de Atores, onde ministra aulas de Interpretação, Estética da Interpretação e Montagem Teatral.

André Corrêa

É ator, diretor e professor de teatro. Como ator, trabalhou com diretores como Antunes Filho em Trono de Sangue/Macbeth; Zé Celso Martinez Corrêa, em Ham-let; Antonio Gilberto em Maria Stuart; e em outras montagens com os diretores Mauro Mendonça Filho, Roberto Lage, Samir Yasbek, Antonio Abujamra. No cinema, atuou nos curtas Jogos de Azar, de Paulo Boccato; protagonizou o telefilme A teu Lado Leve, direção de Flávia Moraes e no longa Uma Noite em Sampa, de Ugo Giorgetti. Na televisão, trabalhou em mais de 100 filmes publicitários com diretores como Cláudio Torres, Breno Silveira, Andrucha Waddington, e outros; e atuou na TV Globo em novelas e minisséries, entre elas O Profeta, Pé na Jaca, Zazá, Suave Veneno, Torre de Babel, Um Só Coração, Labirinto, Hilda Furacão, Dalva e Herivelto, etc. Foi assistente de direção de Antônio Abujamra no espetáculo Gertrude Stein, de Alcides Nogueira; e em Mephistóphelesde Goethe. Dirigiu os espetáculos Passional, e Sobre o Desejo; além do documentário Filhos de Abraão e da websérie Esquizofrenia. Esteve em cartaz recentemente com a peça Com Amor, Brigitte e, atualmente, faz a preparação de elenco do seriado Escola de Gênios, do canal Gloob.

André Corrêa é pós-graduado em direção teatral pela Faculdade de Artes Célia Helena e lecionou nessa instituição de 2009 a 2016. É professor do Indac Escola de Atores desde 1998 na disciplina de Interpretação para Câmera.

Alexandra DaMatta

É atriz, formada pelo Indac Escola de Atores, diretora e preparadora de elenco. Aprofundou os estudos em Commedia dell’arte, máscaras e corpo poético nos workshops ministrados por Andreas Simma, ator do Théâtre du Soleil. Como atriz, atuou nos espetáculos Quase uma Adaptação, de Lucas Assen, direção de Tatiana Bueno; Senhora dos Afogados, direção de Zé Henrique de Paula; Sinfonia Patética, de Cesar Ribeiro, entre outros. Foi assistente de direção dos espetáculos Josefina Canta, texto e direção de Elzemann Neves; Novelo, de Nanna de Castro, e O Livro dos Monstros Guardados, ambos dirigidos por Zé Henrique de Paula; e Desatino, de Elzemann Neves, direção de Inês Aranha e Guilherme Sant’anna. Dirigiu o grupo Disritmia Cênica nos espetáculos Ano Novo Vida Nova, de Vera Karam; e A Mancha Roxa, de Plínio Marcos. Desde 2007, atua como preparadora de elenco, tendo na bagagem os espetáculos Hilda, de Marie N’Diaye, direção de Roberto Audio; A Casa Vazia, texto e direção de Carolina Barres; Minha Mãe, texto de Elzemann Neves, direção de Inês Aranha, e outros. Alexandra é professora de Interpretação e Montagem nos Cursos Paralelos do Indac.